Notícia

Nova ferramenta de edição de genes sem CRISPR, um grande passo, dizem os cientistas

Nova ferramenta de edição de genes sem CRISPR, um grande passo, dizem os cientistas



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Um novo desenvolvimento na edição de genes tem mostrado grande potencial para o tratamento de doenças genéticas que nem mesmo o CRISPR consegue curar.

Uma equipe de cientistas desenvolveu o que afirmam ser a primeira ferramenta de edição de genes de precisão sem CRISPR para DNA mitocondrial (mtDNA).

RELACIONADO: NOVA ENZIMA CRISPR QUASE 100 VEZES MAIS PRECISA

Uma equipe de pesquisa liderada por Joseph Mougous, da Universidade de Washington, descobriu uma enzima em 2018 chamada DddA. A enzima, produzida pela bactéria Burkholderia cenocepacia, muda de forma impressionante para a pirimidina uracila (U) quando se depara com a pirimidina citosina (C).

Visto que U não é comumente encontrado no DNA, e se comporta como a pirimidina timina (T), na replicação do DNA, ele é copiado como T. Isso significa que o C original é convertido em um T, explica Financial Express.

Além do mais, Mougous e sua equipe descobriram que o DddA atua no DNA de fita dupla sem a necessidade de Cas9 quebrar o DNA.

Tudo isso significa que uma ferramenta de edição de genes usando a técnica descrita pela equipe de Mougous teria um imenso potencial para pesquisa, bem como para o tratamento de mutações no DNA mitocondrial. Mutações no genoma mitocondrial, que é muito menor do que o genoma nuclear, podem causar sérios problemas patológicos no sistema nervoso e nos músculos de uma pessoa e também podem levar a doenças cardíacas e outras complicações.

Em última análise, a ferramenta de edição de genes usará toxinas interbacterianas - que são produzidas por bactérias para lutar umas contra as outras - para analisar a biologia mitocondrial básica.

“Esta é uma tecnologia transformadora para a minha área”, comentou. “Agora será possível criar modelos de camundongos de doenças do DNA mitocondrial - isso tem sido muito difícil até agora”, disse à Geneng News Vamsi Mootha, Ph.D., investigador do HHMI do Massachusetts General Hospital e do Broad Institute.

As descobertas da equipe são publicadas na Nature, sob o título 'Uma toxina de citidina desaminase bacteriana permite a edição de base mitocondrial livre de CRISPR. '

Embora a técnica esteja longe do uso clínico, ela tem grande potencial para ajudar aqueles que sofrem de doenças genéticas, incluindo cardiomiopatias e encefalopatias.


Assista o vídeo: Meet the biohacker using CRISPR to teach everyone gene editing (Agosto 2022).